Qual é a melhor forma de investimento?

investimentos

A forma de investimento mais popular que existe é a poupança. E sempre que se fala em guardar dinheiro ou fazê-lo render ela é a primeira opção que as pessoas costumam pensar.

Porém, a poupança somente tem popularidade mesmo, porque na questão rendimento ela oferece um retorno muito baixo para o investidor. Ele não ultrapassa cerca de 8% ao ano, ou seja, para cada R$ 1.000,00 que você tiver guardado isso vai lhe render somente mais R$80,00 durante um ano todo.

É claro que a poupança não está morta e ainda é melhor fazer esse tipo de investimento do que nenhum. Porém, para quem deseja um retorno mais rentável do seu dinheiro, existem outras opções mais interessantes.

Continue lendo o artigo, porque nós vamos apresentar 3 delas que você pode investir sem complicações.

1ª Tesouro Selic

Esse investimento é feito por meio de uma plataforma online do Governo Federal, onde são negociados títulos públicos. Basicamente consiste em emprestar dinheiro para o governo, e ser remunerado por esse empréstimo.

O Tesouro Selic é uma opção para quem deseja investir valores menores, quem deseja retirar o seu dinheiro sem complicações quando for preciso e ainda ter uma liquidez diária. Independentemente do valor da aplicação, o investidor vai receber 100% da varrição da taxa Selic.

As aplicações nesse investimento não apresentam risco de prejuízo, mas é preciso estar atento às taxas que são praticadas pelos agentes de custódia, instituições financeiras que têm autorização para negociar os títulos. Enquanto algumas oferecem isenção de taxa, outras podem cobrar até 2% ao ano.

Também há a cobrança de tributos pelo Imposto de Renda ao resgatar o valor, sendo de 22,5% se o resgate é feito em menos de 1 ano, e de 15% se for acima de 2 anos.

2ª CDB – Certificados de Depósitos Bancários

Nesse tipo de investimento o investidor empresta o seu dinheiro para o banco emprestar para outras pessoas cobrando juros mais altos. O retorno do investidor é obtido por meio de uma taxa de retorno que é indexada à DI (CDI) e que possui um percentual próximo a da Selic.

Em grandes bancos é possível encontrar CDBs com retorno de 100% da DI e algumas vezes até mais. Mas para quem pretende começar com um valor mais baixo, o retorno se torna mais interessante quando se abre mão da liquidez durante um período.

O ideal é investir em CDBs que paguem pelo menos 85% do CDI, e o investidor deve considerar que para ter um bom retorno precisará manter seu dinheiro ali por algum tempo. Mas a vantagem é que esse investimento é coberto pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), o que o faz muito seguro e garante até R$ 250 mil por instituição e CPF.

3ª Fundo simples

Essa é usam opção para quem pretende iniciar no mundo dos investimentos com valores menores. Os fundos simples antigamente eram chamados de fundos DI, e para investir neles é preciso que um gestor se responsabilize pelo seu dinheiro na aplicação.

Os retornos desse tipo de investimento acompanham as variações da taxa DI, e para quem deseja criar uma reserva de emergência para quando precisar é uma boa opção, também porque não é preciso se preocupar, já que o gestor é quem vai administrar tudo.

Porém, esse investimento pode ser desvantajoso se o investidor não estiver atento às taxas administrativas. Elas podem ser muito altas em alguns casos, o que faz com que pequenas aplicações possam ter um retorno baixo, até mesmo menor do que a poupança.

O ideal é que taxa administrativa possa ser coberta com fundos de no máximo 1,5%. Isso é considerado como justo, e serve como parâmetro para o investidor avaliar se está fazendo um bom negócio.

Seja nessa ou em outras aplicações, o importante é manter um valor guardado para emergência ou sempre que preciso, e ainda fazer o seu dinheiro se valorizar e multiplicar, garantindo fundos para o futuro.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *